domingo, 13 de abril de 2008

Calar a palavra do amanha


Como eu gostaria que os teus sentimentos estivessem na combinação dos meus.

Como eu gostaria de te poder dizer o que sinto e o que me vai na alma.

Como eu gostaria de abrir as portas do meu coração, sem olhar para os lados, e dar tudo sem pensar no dia de amanha, como se mais nada existisse, só tu e só eu, sem ter mar nem marés, sem ter ventos nem discórdias.

Como eu gostaria de fechar os olhos e sentir na pele tudo o que sinto na alma, sem medos, sem culpas. Esses medos e essas culpas que nos tiram os prazeres do prazer.

Olhos nos olhos, sentir no fundo do silêncio toda a perfeição deste sentimento.

Olhos nos olhos, sentir a pura essência do amor, transformar-se em desejo.

Como eu gostaria de conseguir expulsar todos os meus fantasmas e experimentar a paixão em toda a sua dimensão.

Como eu gostaria de conseguir apagar dos teus olhos a incerteza de ti próprio.

Como eu gostaria de provocar o calor da nossa pele com segredos de paixão e sentir a explosão.

E no fim, com a minha mão na tua boca, calar a palavra do amanha.

2 comentários:

Júlia Moura Lopes disse...

só a tristeza tem história...

beijo

sum disse...

Olá Júlia,
Beijo entregue e obrigada por tanta companhia.
Um beijo grande