segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Loucura


“Os loucos abrem os caminhos que depois emprestam aos sensatos “
Carlo Dossi -"Note Azzurre"

Louca.

Gosto da palavra. Louca, loucura, loucamente… Mete medo mas gosto.

Sempre gostei de pessoas loucas saudáveis. Dão-me coragem. Aquela coisa que me falta e que nunca tive.

Coragem para ser, coragem para me aceitar, coragem para andar para a frente, coragem para enfrentar quem me afronta, quem me faz mal, coragem para ignorar o que não me serve, coragem para esquecer o que não interessa, coragem para assumir o meu eu e conviver com isso de uma forma saudável, convincente, bonita. A loucura saudável é aquela que dá sal à vida, que a impulsiona, que avança sem pensar se se tem coragem, se se perde, se se ganha, se se fica à espera, se se vai embora e seja, o que vier está bem assim.

Loucura a mais enjoa. Loucura a menos chega a ser doença. Serei doente?

No outro dia chamaram-me louca. E eu fiquei pasmada. Nunca fui louca!
Nem consegui responder. Provavelmente foi um mal entendido ou tão só uma expressão. Nunca saberei. Mas também não me dei ao trabalho de rectificar a situação. Alguma coisa que eu disse na minha santa ingenuidade e que foi entendida de outra forma! Há certas coisas, em certas alturas que não vale a pena rebater. Limitei-me a pensar que, se calhar e de alguma forma, até gostei que alguém me achasse louca.

Um bocadinho de loucura se calhar não me ficava nada mal.

Para mim a loucura máxima são os meus pensamentos. Mas pensar, pensando bem não é loucura. Pensar é pensar. Loucura é fazer.

4 comentários:

PIMENTA disse...

Adorei o seu post sobre a loucura,bom demais,abraços.....

sum disse...

Obrigada Pimenta :)

Anónimo disse...

Oliveira Martins a propósito de Mouzinho da Silveira:
"só os loucos fizeram coisas verdadeiramente grandes na Terra"

JV

sum disse...

É isso mesmo JV, acho essa frase deliciosa! :)
beijihos