domingo, 2 de novembro de 2008

Há Dias


Há dias que me sinto em paz, há dias que sinto uma inquietude imensa.
Há dias que consigo parar para escrever, há dias que isso se torna muito difícil.

Esta é mais uma realidade que tenho vindo a constatar, quando estou em paz as palavras não me saem. Bem tento, mas nada. Ou por outra, as palavras saem, mas saem descoordenadas e desordenadas, sem nexo, uma ideia ali outra aqui. Tudo me distrai, um pequeno barulho, uma sombra, o sol que vai e vem, quem passa na rua, o estalar da madeira.
Os meus sentidos estão alerta para tudo o que me rodeia.

Quando a inquietude me assalta, tudo se vira para o meu umbigo. As palavras saem com o sentido da minha própria alma. É fascinante ver as letras a aparecer, formando palavras que desenham os meus sentimentos.

2 comentários:

M.Júlia disse...

É talvez o respirar dos seus sentidos, da sua alma. É uma dualidade de contrários, e só tem que aproveitar, quando as ideias se transformam em palavras escritas. Aqui, terá decerto, muitos e agradados leitores.

sum disse...

Obrigada mais uma vez M.Júlia,
As suas palavras amigas são sempre bem vindas.
Um beijinho :))