quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Obrigada


Descobri que gosto que digam bem de mim.

Fico sempre surpreendida quando dizem bem de mim. É um surpreendido contente, um contente envergonhado.

Lembro-me que me sentia assim quando era pequenina. E é pequenina que me sinto nestas ocasiões. Não de tamanho mas de sentido o que ainda é mais embaraçoso com este tamanho todo.

Apesar de tudo, desponta uma pontinha de orgulho que me faz encher o peito e andar mais direita. Deve ser por isso que se diz por aí que nos “enchemos” de orgulho ou que estamos “inchados” de tanto orgulho. É que, de facto, há qualquer coisa que cresce em nós e não é só o coração! Será a segurança? A confiança? Ou ambas?
Tudo isto ocupa muito espaço cá dentro, e é tão bom!

Obrigada

Um Obrigada muito especial para a Júlia Moura Lopes por este poema e por este poema, cada um mais bonito que o outro e os dois para mim.

6 comentários:

Tentativas Poemáticas disse...

Parabéns! Iniciei há algumas horas atrás - dia 27 - o meu blogue. Li os comentários que lhe ofereceram e impressionei-me. São merecidos. Gostaria que alguém com o seu perfil fizesse o favor de criticar aquilo que escrevo. Seria um grande privilégio. Tudo de bom para si. Muito obrigado pela atenção. Cumprimentos.

JúliaML disse...

Querida Sum,

Eu penso que essa timidez introvertida que é característica sua, dá intimidade à sua escrita.Somos todos uns voyeurs!

é bom ver quando solta o pássaro e deixa que nós ouçamos o seu canto!

ah, mas pode confiar e inchar à vontade, pois tem motivos para isso! Não tenho por hábito desperdiçar elogios infundados.

abraço e bem querer meu

fugidia disse...

:-)
O elogio e o mimo deviam ser obrigatórios, cara Sum; desde que nascemos até morrermos!
E, no seu caso, merecidíssimos, pelo que leio.
:-)

sum disse...

Obrigada Tentativas Poematicas, pelas suas palavras, muito simpáticas.

Ainda bem que se lançou nesta grande aventura dos blogs. Desejo-lhe muito sucesso.

Gostaria muito de criticar o que escreve no seu blog se na realidade me sentisse preparada para o fazer. A verdade é que não tenho capacidade nem sabedoria, nem sei se algum dia terei,para criticar a escrita de alguém.
Limito-me a, na minha grande ignorância, sentir ou não sentir, gostar ou não gostar do que leio.

Assim, passarei pelo seu canto com todo o gosto e sempre que se proporcionar falarei.

Tudo de bom para si, e mais uma vez muito obrigada.

sum disse...

Querida Júlia,
Deixa-me sem palavras.
Obrigada.
Beijo grande

sum disse...

Fugidia,
Deveriam mesmo, tenho a sensação de que a humanidade ganharia :).

Mais uma vez obrigada
:))