quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O não poder ter, dói!


-->

Tanto sorrio de felicidade como choro de tristeza profunda. O medo toma conta do meu pensamento.
Tenho o coração cheio e a cabeça vazia, sinto cada segundo, revivo cada gesto, oiço cada palavra dou-lhes vida, tiro-lhes sentidos,  e quando fecho os olhos, o meu corpo dança lentamente a música que sinto dentro de mim e estremece em ondas de prazer que se propagam bem devagar, levantando até a roupa que trago vestida. A respiração fica mais funda, o estômago encolhe levemente e as lágrimas começam o seu percurso, numa manifestação de desejo insano e urgente. É aqui que o prazer vira quase tortura e a dor aperta cada prega da minha alma. O não poder ter, dói!

"É tão difícil falar, é tão difícil dizer coisas que não podem ser ditas, é tão silencioso. Como traduzir o profundo silêncio do encontro entre duas almas? É dificílimo contar: nós estávamos nos olhando fixamente, e assim ficamos por uns instantes. Éramos um só ser. Esses momentos são o meu segredo. Houve o que se chama de comunhão perfeita. Eu chamo isso de: estado agudo de felicidade."
Clarice Lispector

2 comentários:

Rita Taborda Oliveira disse...

Adoro!

sum disse...

Clarice lispector é uma escritora e tanto. A sensibilidade, a honestidade com que escreve leva nós a descobertas interessantes. Obrigada Rita.